Saltar à corda - Muito longe de ser coisa de criança!

 

Há hábitos, tradições e costumes que se vão perdendo. Alguns deles felizmente que assim é mas há outros, agora infelizmente, que se perderam por questões dúbias e que bem faltam fazem nos dias de hoje.

 

É certo que na época dos iPhones, Playstations e Wiis é difícil convencer uma criança de que saltar à corda é desporto essencial. Mais engraçado é contudo o facto de ser ainda mais complicado convencer um adulto que o tal exercício está longe de ser uma brincadeira de criança e que, tão rapidamente quanto possível, deverá retomar o hábito de passar a corda por debaixo dos pés.

 

Complicamos demasiado. Temos a estranha mania de criar geringonças, gadgets e aparelhómetros quando por vezes tudo o que precisamos é de parar para pensar, olhar em redor e aproveitar aquilo que temos à mão.

 

Bem sei que nem toda a gente poderá saltar à corda dentro de casa. Tenho sorte de o poder fazer mas também devo frisar que uma corda cabe praticamente no bolso das calças, passe a hipérbole. Coloque-a na mochila, na carteira, no porta-luvas do carro, na mala ou onde quer que seja desde que a tenha à mão de semear. Uma corda custa entre 6 e 12 euros numa loja Decathlon e também nisso esse estupendo equipamento de desporto fica a ganhar à grande maioria da concorrência.

 

Mas o que pode a corda fazer por si?

Saltar à corda queima três vezes mais calorias do que correr (jogging). Só por isto já deverá valer a pena prestar atenção ao que se segue.

 

Saltar à corda trabalha múltiplas partes do corpo. Qualquer exercício que detenha esta característica é um bom candidato a estar na lista de exercícios óptimos para a perda de gordura. Ombros, bíceps e antebraços para rodar corda; abdominais para se manter numa posição anatomicamente correcta; sóleos, coxas e glúteos para o saltar propriamente dito. Ao contrário da grande maioria dos exercícios cardiovasculares, saltar à corda permite exercitar as partes superior e inferior do corpo em simultâneo.

 

É um exercício extremamente intenso. Quanto mais saltar mais calorias manda embora. Para além do trabalho dos músculos também os pulmões vão receber uma carga que mantêm o ritmo metabólico elevado mesmo após a finalização do exercício.

 

Outra grande vantagem de saltar à corda é o facto de não tomar muito tempo ao seu praticante. 15 minutos são mais do que suficientes para uma boa sessão de corda. Não é suficiente apenas por ser suficiente, é suficiente porque é de facto tão intenso que mais do que isso é uma carga absurda. Pessoalmente faço corda apenas duas vezes por semana antes de correr. Faço 15 séries de 50 saltos (750 saltos) com descanso de 30 segundos entre cada série. Não se guie por mim, crie o seu ritmo e deixe-se levar. Não se esqueça dos exercícios de alongamento antes de dar início ao seu treino de corda.

 

Não esqueça também que, devido à natureza deste exercício, saltar à corda carrega as articulações dos membros inferiores e a coluna. Por essa razão não é aconselhado a pessoas obesas e/ou a quem tenham sido detectados problemas nas articulações dos membros inferiores ou coluna. Mesmo para quem não tem este tipo de problema, calçado com boa capacidade de absorção de choque e um solo menos duro também são indicados.

 

Divirta-se!

sinto-me:
publicado por emagrecerefacil às 17:31 | link do post